Vida de estudante de iniciação científica ( parte 5/5)

E pra finalizar a entrevista com O Sérgio, ele responde como foi sua experiência na pesquisa contribuiu para a sua formação como cresceu participando dela.

Na verdade, o curso não sofreu muita alteração para mim. Nas disciplinas que eu tinha dificuldade, continuo as tendo e, nas demais disciplinas, continuo me dedicando, mais ou menos, o mesmo tanto que antes. Devido a iniciação científica ter um tema um tanto quanto específico, o universo de conhecimento da engenharia civil fica praticamente inalterado aos meus olhos. O maior impacto que a iniciação terá na minha grade curricular será no meu TCC, que está sendo desenvolvido com tema em paralelo com o tema da iniciação científica.

Porém, do ponto de vista do conhecimento a12360341_654314708004827_7403246696143571761_nssimilado durante a graduação, depois da realização da pesquisa, começo a perceber o quanto tentamos ser abrangentes com a nossa grade de engenharia civil e o quanto deixamos de conhecer com profundidade os assuntos estudados. Até porque o curso, que já é grande, se prolongaria por bastante tempo se quiséssemos estudar muito de tudo. O que acredito é que deveríamos repensar a estrutura dos nossos cursos de engenharia civil e tentarmos ter cursos um pouco mais direcionados às possíveis atuações dos engenheiros. Isto, porém, deveria ocorrer com o envolvimento de universidades, conselhos e engenheiros atuantes no mercado.

As universidades deveriam se envolver na discussão por conta do seu papel de formação dos engenheiros, mas também por apresentarem uma grade obrigatória com um leque muito grande de áreas do conhecimento. Os conselhos, por sua vez, dado que as universidades poderiam deixar as grades um pouco mais maleáveis, deveriam exercer com maior atenção o papel de restringir as atuações de um engenheiro, de acordo com a sua formação acadêmica. Os engenheiros atuantes no mercado têm importantes opiniões e vivências sobre o que realmente precisam aplicar dos conhecimentos estudados durante a graduação. Isto seria um processo longo de discussão, mas poderíamos atingir níveis maiores de objetividade dos cursos e de especialização e capacitação dos profissionais formados.

Se voce perdeu o  inicio da entrevista seguem os links:

Vida de estudante de iniciação científica ( parte 1/5)

Vida de estudante de iniciação científica ( parte 2/5)

Vida de estudante de iniciação científica ( parte 3/5)

Vida de estudante de iniciação científica ( parte 4/5)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *